Cirurgia Ortognática

A cirurgia ortognática é o tratamento para pacientes que possuem deformidades envolvendo o esqueleto facial e os dentes. Quando não é possível resolver o caso somente com o tratamento ortodôntico, uma vez que o problema está no excesso ou falta de crescimento do esqueleto facial e não somente na posição dos dentes, então se faz necessária a cirurgia ortognática.
Temos uma equipe qualificada pronta a atendê-lo. Com a maior casuística do sul do país no tratamento das deformidades maxilofaciais, nosso grupo é composto por médico, cirurgião-dentista, fonoaudióloga e fisioterapeuta atendendo pacientes de toda Santa Catarina e outros Estados.

Dr. José Carlos Martins Junior

martins

  • Médico Cirurgião Craniomaxilofacial
  • Cirurgião Dentista Bucomaxilofacial
  • Especialista em DTM/DORF pela Escola Paulista de Medicina – Unifesp
  • Pós- Graduado em Cirurgia Plástica da Face- Clínica Jurado/IBPG -SP
  • Fellow em Cirurgia Craniomaxilofacial pela Universidade de Basel – Suíça
  • Faculty – Instrutor da AO Craniomaxilofacial
  • Membro da Academia Brasileira de Cirurgia Plástica da Face
  • Membro Efetivo da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvicofacial
  • Membro da Associação Brasileira de Cirurgia Craniomaxilofacial

Website: www.martinsjr.com.br

Dr. Amadeu Fialho

amadeu

  • Especialização em Cirurgia MaxiloFacial
  • Especialização em Estomatologia
  • Fellow Hôspital de La Pitiê – Salpêtrière – Paris – França
  • Membro da AO- Internacional Craniomaxilofacial
  • Cirurgião Maxilofacial do Hospital Santo Antônio – Blumenau

Qual a origem das deformidades?

Essas deformidades podem ter origem nas Síndromes e Anomalias Específicas (fatores teratogênicos,fatores embriológicos, microssomia hemifacial, Treacher Collins, fissuras faciais, crânio-sinostoses, Pierre Robin…), distúrbios de crescimento após o nascimento, trauma facial, problemas musculares e hormonais ou de origem genética quando existe algum familiar com as mesmas características. E comum ocorrer o paciente ter a mandíbula grande representando o prognatismo mandibular como as fotografias da paciente abaixo mostrando ante e após o tratamento.

deformidade01

deformidade02

Outros pacientes apresentam a mandíbula pequena, retrognatismo mandibular semelhante ao saudoso compositor Noel Rosa como é o caso da paciente abaixo.

deformidade03

deformidade04

Muitas vezes o paciente apresenta problemas combinados associando o maxilar inferior e o maxilar superior, por exemplo: o excesso de crescimento mandibular (mandíbula grande) e a falta de crescimento maxilar (a maxila para trás) necessitando operar os dois segmentos. O paciente a baixo é um exemplo clássico de problema combinado. O maxilar superior foi colocado para frente e o inferior (a mandíbula) para traz.

deformidade05

deformidade06

O diagnóstico e o planejamento cirúrgico são realizados minuciosamente antes da cirurgia nos modelos de estudo montados em articulador odontológico, radiografias e com o auxílio de computação gráfica.

Para quais tipos de problema a cirurgia ortognática estará indicada?

Destina-se a tratar problemas em três planos da face: antero-posterior, vertical e transverso. No primeiro destacam-se os problemas por exemplo de queixo grande (prognatismo mandibular), ou de queixo pequeno (retrognatismo). O maxilar também poderá apresentar com os mesmos problemas de posicionamento. No plano vertical, os maiores problemas são a deficiência de altura do terço inferior da face, ocasionando por exemplo problemas como a pessoa sorrir e não mostrar ou mostrar pouco os dentes superiores, ficando com aparência de desdentado. O excesso de altura do terço inferior da face provoca situações como o sorriso gengival, onde a pessoa mostra em excesso os dentes e a gengiva, tanto em repouso como no sorriso. Encaixam-se neste caso indivíduos que não conseguem permanecer em repouso com a boca fechada, e geralmente possuem o rosto muito comprido. Já as discrepâncias transversas da face consistem de situações onde os maxilares estão em desarmonia no sentido lateral, aparentando uma face torta ou desviada para um dos lados.

Qual é a idade mínima para operar?

O ideal é aguardar o término do crescimento do esqueleto facial, pois assim os resultados serão mais previsíveis. Nas meninas será por volta dos 14 ou 15 anos e nos meninos por volta dos 17 anos. Existem exames que auxiliam nesta avaliação. Em adolescentes que possam apresentar problemas de convívio social decorrentes da deformidade facial, a cirurgia poderá ser antecipada.

É preciso colocar aparelhos nos dentes para fazer a cirurgia ortognática?

Sim, é preciso quase em todos os casos realizar a ortodontia em conjunto com o tratamento cirúrgico, geralmente dentro da seguinte seqüência: cerca de 12 a 18 meses de preparo ortodôntico antes da cirurgia para melhorar o encaixe que os dentes deverão possuir após a cirurgia; passar pela cirurgia, e depois aproximadamente 10 meses para realizar o término do tratamento ortodôntico.

O aparelho melhorará minha mordida antes da cirurgia?

Normalmente não, porque os dentes destes pacientes geralmente apresentam-se fora das bases ósseas, e isto precisa ser arrumado antes da cirurgia, para que o resultado pós-cirúrgico seja estável, sem recidivas.

Como é a recuperação deste tipo de cirurgia ?

Não é dolorido, apenas ocorre muito inchaço até o terceiro ou quarto dia após a cirurgia, e depois regride rápido podendo os pacientes estarem aptos para o trabalho (sem esforços físicos) por volta de 10 dias de pós-operatório.

Onde e como são feitas as cirurgias?

São realizadas em hospital e sob anestesia geral, sempre com acompanhamento integral do médico anestesista. As incisões (cortes) são feitas todas por dentro da boca, portanto não deixam cicatrizes na pele. A duração da operação depende do procedimento a ser feito, e o período de permanência do paciente no hospital normalmente é de um a dois dias, continuando depois a sua recuperação em casa.

É preciso ficar com a boca amarrada após as cirurgias?

Não, pois a fixação óssea é feita com mini-placas e parafusos de titânio, que são biocompatíveis e fornecem uma imobilização rígida o suficiente para permitir que o paciente fique com a boca aberta após a cirurgia, podendo se alimentar melhor e higienizar a cavidade bucal. Este material é o mesmo com o qual se fazem implantes dentários, e não necessita ser removido. Existem também placas e parafusos reabsorvíveis, que dentro de 12 meses o próprio organismo se imcumbe de eliminá-los.

Qual profissional deverei procurar para me orientar e planejar o tratamento?

O correto é procurar pelo Ortodontista ou pelo Cirurgião Buco-Maxilo-Facial, e que antes de começar o tratamento estes profissionais possam se reunir para discutir e planejar o caso.

Quanto custa esta cirurgia?

O custo depende dos procedimentos que serão feitos, pois quanto mais longa a cirurgia, maiores serão os custos. Na consulta inicial ou após o planejamento do caso, o Cirurgião Buco-Maxilo-Facial estabelecerá o plano de tratamento e o custos e condições de pagamento do mesmo.

Contato

(47) 3322-4306 (47) 3037-1717

contato@odontoschiavon.com.br

Rua XV de Novembro, nº 750 s2 - Bairro Centro - Blumenau - SC